18 junho, 2013

Grécia: Sem Sinal

DEMOCRACIA MUSCULADA II
GRÉCIA: SEM SINAL

Democracia musculada era uma designação benévola para regimes que tinham uma democracia formal, mas aos quais faltava democracia substantiva. Exemplos actuais, com bastantes diferenças entre eles, podiam ser apontados a Rússia e o Irão.
Pois a musculatura democrática chegou à Europa. Deixo três exemplos: na Turquia, na Grécia e em Portugal (estamos sempre em boa companhia).

Um cartaz genial, simbolizando o fim da televisão pública na Grécia, paralelamente com o esvaziamento da Democracia.
in STRATFOR, em http://www.stratfor.com/analysis/greece-bulgaria-political-protests-erupt

 
A governação na Grécia atingiu um novo nadir. O governo de Samaras decidiu, no dia 12 de Junho, fechar a ERT (televisão pública grega), avisou com umas horas de antecedência e fechou o sinal da TV (3 canais) às 24.00h desse mesmo dia. Na ERT trabalham (trabalhavam?) 2700 pessoas.


É difícil qualificar tal acto. O carácter repentino, drástico, arbitrário, castigador de milhares de pessoas, indiferente a milhões de espectadores, censório, somado à ameaça governamental de invadir o edifício para expulsar os funcionários da ERT, traz-me à mente o adjectivo stalinista. Só falta mesmo enviar os 2700 trabalhadores para a Sibéria.


O Primeiro-Ministro Antonis Samaras, tal como o seu antecessor, lá vai continuando a escavacar o país em nome de terceiros, ao arrepio dos interesses e direitos dos Gregos e com total desrespeito pelos seus direitos.
 
O sinal da democracia está cada vez mais fraco na pátria da Democracia. A continuar assim, ficará como a ERT, sem sinal. Os bárbaros tomaram Atenas.

1 comentário:

Joaquim De Freitas disse...

Tem muita razão : a brutalidade num pais "democrático", onde a defesa dos direitos do Homem é um exercício perigoso. Perigoso para as populações ou as categorias de populações que reclamam o respeito dos seus direitos fundamentais, mas igualmente para aqueles que, advogados, põem o talento e competências ao serviço duma causa, expondo-se à retorsão e à brutalidade da policia.
Quando a luta se exerce contra o aparelho estatal, a resposta é judiciária : os adversários são terroristas, aqueles que os defendem também!

A Turquia é hoje , através da questão kurda particularmente, um dos tristes exemplos. Esta mesma Turquia que deseja tão ardentemente ajudar os rebeldes sírios, que deseja tão intensamente integrar a UE, põe na prisão 40 advogados, detidos por terem cometido como único delito : exercer a sua profissão.

Semear o terror, fazer calar os cidadãos, aniquilar toda forma de resistência à islamizaçao fascisante da sociedade, intimidar os democratas por todos os meios, privà-los dos direitos fundamentais, eis o panorama da Turquia actual, que visitei há dez meses atrás.
O poder criou uma máquina tentacular fundada sobre um nepotismo terrível, atrás duma ideologia retrograda enfeitada pelo relativo sucesso economico destes últimos dez anos.
O activismo islamista, financiado por numerosas fraternidades muçulmanas que aparecem por todo o lado, utilizam todos os meios para dividir o pais em dois campos : os crentes, fieis servidores de Deus e da Pátria, e os outros, considerados infiéis, perigosos inimigos do Islão.

Estes indivíduos querem integrar a UE ! E são nossos aliados na NATO !